Super Hqs: Onde Encontrar, Melhores Títulos, Hq para adultos. Confira!

Os quadrinhos são uma literatura curiosa: diferente dos livros mais comuns, Super Hqs combinam desenhos (imagens) com o texto em seus inúmeros balões de fala. E a partir de seus quadros, contam histórias magníficas.

Desde que estrearam em tirinhas nos jornais, os quadrinhos ganharam um espaço entre as pessoas. Desde a época dos jornais, passando pela pulp fiction, chegando na era de ouro, era de prata, era de bronze, hqs são fenomenais.

E como todo tipo de arte, quadrinhos também têm seu público alvo, dependendo do que a Supe HQ quer mostrar.

Então pensando nisso, eu escrevi esse artigo para indicar não somente sites para ler, onde comprar, mas também, indicar títulos de diferentes editoras para você mergulhar no mundo para maiores de 18 anos , tem muita coisa boa para maiores de idade.

Então já senta na cadeira, pega um refrigerante, estoura umas pipocas, e “vamo bora” que hoje vai ser bom.

Uma breve história dos quadrinhos

Como eu disse anteriormente, os quadrinhos surgiram como tirinhas nos jornais, pois com a expansão dos jornais e consequentemente, da imprensa, as tirinhas passaram a ser publicadas em larga escala.

Umas das primeiras histórias em quadrinhos (o nome completo de “HQ”) foi a The Yellow Kid, do autor Richard Outcault, publicada em 1894. Nessas tirinhas, o protagonista era uma criança que vestia uma camisola amarela longa, que ia até os pés.

As histórias contavam com um uso bem considerável de gírias, numa linguagem bem coloquial, e trazia consigo reflexões sobre: sociedade de consumo, questões raciais e questões urbanas.

As Super Hqs como conhecemos hoje, publicadas em revistas próprias, só apareceriam no começo do século XX, mais especificamente, depois da Grande Depressão nos Estados Unidos.

Alguém que estava com a mente vazia, e todo mundo sabe, que mente vazia é oficina da criatividade, teve a ideia de publicar essas tirinhas de jornal, em revistas só de quadrinhos. A ideia foi boa, mas executada de uma forma meio burra.

Primeiro que eram histórias já publicadas no jornal, então muitas pessoas já tinham lido aquela história, caindo naquele pensamento “Eu já li isso tudo no jornal, por que eu compraria uma revista com coisas que eu já li”?

Não tinha algo que realmente chamasse a atenção, além do mais, algumas dessas revistas sofriam de má produção: para você entender o nível do negócio, às vezes a revista nada mais era do que as tirinhas coladas umas às outras, com fita adesiva ou cola branca.

O negócio era tenso. Vendo esses problemas, histórias inéditas passaram a ser escritas e publicadas nessas revistas, algumas fizeram relativo sucesso, como a de John Zatara (falo mais um pouquinho dele lá na frente), e outras caíram no esquecimento.

E o problema de as revistas serem malfeitas, foi resolvido usando a polpa de celulose, praticamente fundando o que chamamos de pulp fiction (te lembra um certo filme? Pois bem, o filme de Tarantino é praticamente uma revista pulp em forma de filme).

As revistas pulp se caracterizavam pelo papel de qualidade mais baixa, e suas histórias sem muito compromisso, eram mais ou menos uma novela de TV, só que em literatura. Entretanto, muitos e muitos personagens famosíssimos até hoje, surgiram nas revistas pulp.

Conhece um homem criado por macacos chamado Tarzan? Um terráqueo que vive em Marte chamado John Carter? E um espanhol mascarado de roupa preta e um sabre chamado Zorro? Todos esses surgiram nos pulp fictions.

“Cadê os super-heróis? Cadê a DC? Cadê a Marvel? ” Calma, vou chegar lá. Por um tempo, esse modelo de negócio até que se sustentava, mas foi o ano de 1938, que tudo ia mudar. 1938 foi o ano que os quadrinhos entraram para a história.

Hq Eróticos

Super Hqs: o ano em que tudo mudou

E o que aconteceu em 1938? Simples em abril de 1938, foi publicada a Action Comics nº 1, que é considerada o marco 0 das Super Hqs de super-heróis. E o porquê disso? Conhece um herói que usa um S no peito e usa uma capa vermelha?

Exato, a revista Action Comics nº 1 marca a primeira aparição do Superman, que até hoje, é considerado o maior herói dos quadrinhos, e talvez, o maior herói da ficção. O sucesso do Superman foi tão grande, tão grande, mas tão grande, que a DC comics foi praticamente fundada ali.

Claro que não era chamada de DC ainda, ainda era chamada por seu nome completo: Detective Comics, que posteriormente nomearia uma revista com esse nome e marcaria a primeira aparição de outro da Santíssima Trindade dos super-heróis.

Conhece um bilionário perturbado que se veste de morcego e espanca criminosos na calada da noite? Isso aí meu caro leitor, o Batman foi criado para concorrer com o Superman, e no fim, ele alavancou ainda mais as vendas de quadrinhos.

E quem é o outro integrante desse trio que firmou os super-heróis na cultura popular? Como eu posso descrevê-la? Conhece uma mulher, uma amazona, que vive numa ilha isolada, e usa um laço dourado?

A Mulher Maravilha foi criada pelo mesmo inventor que criou o teste do polígrafo (que eu gosto de chamar de mentirômetro), e ela terminou de fincar a bandeira dos quadrinhos de super-heróis no imaginário popular.

E porque eu citei esses três heróis? Pois são os heróis mais populares do mundo: não existem pessoas que sequer tenham ouvido falar de pelo menos um desses três.

Como a agora já nomeada DC Comics fez uma fortuna, ela fez algumas jogadas: revitalizou alguns personagens, lembra do John Zatara? A DC resgatou esse personagem (que é um mágico, acabei esquecendo de comentar), e fez ele constituir família.

Ele se tornou o pai da maga mais querida da editora: a Zatanna, tanto que o nome completo dela é Zatanna Zatara. Outra coisa que não só a DC fez, mas a Marvel também fez algumas vezes, foi comprar editoras pequenas, ou direitos de personagens.

A DC fez isso com a Whiz Comics: a editora foi processada por criar um personagem que seria um plágio do Superman, e no fim, a DC comprou a editora e os direitos do personagem: o Capitão Marvel, atualmente chamado de Shazam.

Desse jeito, as editoras formaram seus elencos de heróis e vilões, com suas próprias histórias, suas próprias mitologias, tudo muito autoral.

A passagem de uma literatura infantil, para HQ Adultos

Nessa época, que chamamos de era de ouro dos quadrinhos, suas histórias eram consideradas infanto-juvenis: mesmo que temas mais sérios fossem tratados, a forma que era feito era a mais amena possível, justamente para não perder o público mais infantil.

As graphic novels, hqs adultos num geral, não eram populares, pois a fama que os quadrinhos tinham de serem uma literatura infantil, era bem acentuada. Isso mudou nos anos 80.

Depois da Segunda Guerra Mundial, as várias guerras no oriente médio, e a guerra fria (ainda que chegando no fim), as pessoas pararam de gostar de quadrinhos considerados “infantis”, e agora queriam HQ Adultos.

Para que esses quadrinhos não interferissem na continuidade principal de suas criações, o que chamamos de canon, essas histórias eram isoladas (com começo, meio e fim em poucas edições) ou então publicadas sob um selo.

Ao ser publicada sob um selo, aquela história era da editora, mas não tinha nada relação com as publicações recorrentes, principalmente de super-heróis. Um exemplo: Watchmen é da DC, mas foi publicada pelo antigo selo Vertigo, não tendo nada a ver com os outros heróis da editora.

E foi a partir de 1980, que as graphic novels, hqs adultos, ganharam força. Com histórias mais elaboradas, densas, com violência gráfica, e até mesmo, Hq Eróticos.

Depois dessa história toda contada, eu vou te indicar alguns HQ Adultos, e além disso, te orientar sobre onde ler essas histórias. Preparado, então vamos.

Hq Eróticos

Onde ler HQ Adultos, hqs como um todo?

O primeiro passo a ser feito é identificar que tipo de história você está procurando no Super Hqs. O segundo passo é definir em que mídia você vai ler: física ou digital.

Se você leitor, assim como eu, não gosta de ler no computador, no celular, tablet, no kindle, ou qualquer outra tela (convenhamos, o brilho é bem incômodo, além de às vezes as letras ficarem muito pequenas).

Caso esteja nessa situação, eu recomendo que busque medalhões das Supe HQ. E o que seriam esses medalhões? Apesar do nome parecido com medalhão de frango com bacon (dá água na boca só de pensar) e do medalhão de Salazar Sonserina, medalhões de quadrinhos são bem diferentes.

Um medalhão no mundo dos quadrinhos é uma história mais fechada, geralmente um arco já finalizado de algum personagem ou mesmo um universo único para aquela história.

Editoras volta e meia lançam encadernados dessas histórias, facilitando o acesso do leitor à essas histórias. Infelizmente, nem sempre esses encadernados são baratos, o que dificulta as coisas. Outra alternativa são os sebos.

Os sebos geralmente salvam a vida de um leitor que busca uma edição mais antiga ou mesmo um encadernado que não é relançado há muito tempo. Geralmente as Super Hqs podem ser encontrados em bom estado, por um preço mais baixo.

É uma excelente alternativa caso na sua cidade tenha um sebo. Eu mesmo já comprei vários livros e quadrinhos nos sebos, por causa de sua acessibilidade econômica e disponibilidade de unidades.

Super Hqs na Mídia Digital

Caso você opte pela mídia digital, temos algumas opções bem interessantes. A primeira delas é o dispositivo feito exclusivamente para o que chamamos de E-Book: o kindle.

O kindle é parecido com um tablet, mas ele não roda aplicativos convencionais. Lançado pela Amazon, o kindle serve para ler livros em formato digital. Aliviando o espaço para guardar livros físicos em casa. Além do preço do digital ser mais em conta.

Ele é relativamente pequeno, cabe facilmente em bolsas e mochilas. E pode armazenar uma quantidade absurda de livros. É uma excelente pedida para quem prefere ler em mídia digital.

Para o caso de um computador, eu recomendo que você, leitor, leia arquivos em pdf, pois eles são mais compactos, e são mais versáteis do que arquivos em .docx, por exemplo.

Existem diversos sites e blogs que disponibilizam quadrinhos de forma gratuita, através do scanning de suas páginas. Mas claro, isso seria uma forma de pirataria, dependendo do site, então pense bem antes de baixar uma Supe HQ gratuita de terceiros.

Super Hq

Super Hqs na View Comic

Um site bem completo no quesito mainstream até quadrinhos mais desconhecidos. Tem uma inferface boa. A leitura não lá das melhores, mas eu acervo acaba compensando a experiência literária medíocre.

Super Hqs na Read Comics

Esse talvez seja um dos melhores sites para ler hqs online: sua interface é ótima, tem listagem de A-Z, divisão por gênero, editora, e até mesmo, busca avançada para quadrinhos específicos.

Amazon Best Sellers

Apesar da maioria esmagadora dos títulos encontrados na Amazon serem pagos, existe uma ala chamada top 100 free. Essa ala possui diversos Super Hqs gratuitos, e está sempre em atualização. Vale a pena dar uma conferida.

Digital Comic Museum

Ler livros e Super Hqs muito antigas pode ser um pé no saco: às vezes não foi lançado no Brasil. Ou possui poucas edições desde o lançamento, se perdendo na vastidão do oceano dos quadrinhos. É aí que o digital comic museum entra.

O site possui muitos, muitos, MUITOS quadrinhos da era de ouro (1930-1950). O site não tem muitos personagens conhecidos, mas seu acervo de outras editoras é invejável.

Super Hqs

DriveThru Comics

Ouvimos muito falar de DC, Marvel, Image Comics, Dark Horse Comics. Mas se você não está procurando editoras conhecidas, o drivethru comics tem um acervo de Super Hqs independentes muito amplo, perfeito para dar uma variada no mainstream e ler quadrinhos de outras editoras.

Indicação de leitura

Chegamos na minha parte favorita do artigo: indicação de leitura. Indicar um livro, um quadrinho, qualquer coisa para ser lida é de uma alegria imensa, já que no Brasil a maioria das pessoas não tem o costume de ler.

O foco dessas indicações será hqs adultas, então pode esperar hqs eróticos, com histórias bem elaboradas, podendo até ter certo nível de violência gráfica. Dados os recados, então vamos lá.

Somente um adendo: originalmente, eu listaria as melhores hqs adultas num geral, e ficou uma lista bem extensa. Entretanto, eu decidi fazer uma lista menor, mas que resumisse bem por onde começar a ler quadrinhos adultos.

Super Hqs

 

Homem Aranha Azul

Homem Aranha Azul não é exatamente uma Super Hqs, mas a história é construída de um jeito, que uma criança não entenderia. E porque não entenderia? Porque uma criança, até mesmo um pré-adolescente nunca se apaixonou.

E como alguém que nunca se viu cercado por tal nobre sentimento poderia compreender o sentimentalismo que a Super Hqs traz. E mais ainda, lidar com outra coisa inerente à vida: a morte.

Peter Parker tem sua namorada, Gwen Stacy, friamente assassinada pelo seu maior inimigo, o Duende Verde. A história gira em torno da aproximação do casal, da vida melhor que o Homem Aranha pode desfrutar ao lado de Gwen, agora que o Duende foi derrotado (quando a história se inicia).

E no momento fatídico, até o coração mais gelado pode derreter com o choro de Peter Parker, com Gwen morta em seus braços. Em seguida, sua fúria que culmina na até então, última batalha contra o Duende Verde, pai de seu melhor amigo (como se as coisas não pudessem piorar).

Isso torna Homem Aranha: Azul um excelente pontapé inicial para Super Hqs, pois ela equilibra bastante o juvenil com o adulto jovem.

Batman: O Cavaleiro das Trevas

O Batman é um herói complexo: ao mesmo tempo em que suas ações visam o bem, Bruce Wayne é uma pessoa tão perturbada quanto os inúmeros vilões que o Asilo Arkham prendeu durante sua carreira vestindo a capa.

Quando a idade chega, Wayne se aposenta da vida de vigilante mascarado e tenta viver uma vida normal. Entretanto, Gotham City não é uma cidade normal, e quando a criminalidade dispara, Bruce decide voltar a atuar como Batman.

No auge de sua terceira idade, Batman descobre da pior forma que ser apenas um humano comum tem suas desvantagens. O Cavaleiro das Trevas é um marco para o personagem e os quadrinhos.

A Super Hqs contou primeiramente com um nível de violência gráfica até então inédito para quadrinhos de super-heróis. Essa mesma violência causada pelo próprio Batman: ossos quebrados, olhos roxos, hematomas nas costas, se fundiram ao personagem, que passou a ser mais violento.

Outra coisa inédita na Super Hqs: a história tem embates ideológicos muito fortes, que só adultos, por serem mais vividos, mais antenados nas coisas, identificariam. Claro, estamos falando do final da Guerra Fria.

A história se tornou muito popular, se tornando talvez, a mais conhecida do personagem.

Supe HQ

Hq Eróticos: Azul é a cor mais quente

A literatura erótica é um pouco estigmatizada: pelo termo “erótico” se referir e associar ao sexual, muitos pensam que literatura erótica é apenas uma descrição de uma cena de sexo, mas não é bem assim.

A principal característica do erotismo é o sensual, o prazer, e isso é feito de forma mais sutil: o uso de metáforas é praticamente obrigatório aqui, além da descrição das sensações que alguém excitado experimenta.

De origem francesa, le bleu est une couleur chaude (azul é a cor mais quente em francês) é mundialmente conhecida pela sua adaptação cinematográfica, lançada em 2012.

A história gira em torno de Clementine, uma jovem de 15 anos que se apaixona por uma garota de cabelos azuis. A Super Hqs consegue tratar de forma bem real os problemas de qualquer relacionamento, mas na hq, somos apresentados na óptica de um casal lésbico.

Além de apontar o lado poético e universal do amor, sem se preocupar em apontar regras, gêneros, etc. As Hq Eróticos são uma excelente porta de entrada para os quadrinhos mais picantes.

Maus

Pense na Segunda Guerra Mundial. Quais são os dois eventos que marcaram essa guerra? São eles o holocausto e o bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki. Mas vamos focar no holocausto.

Imagine que os judeus são ratos, e os nazistas, gatos. Essa foi a forma na qual Art Spiegelman contou todos os horrores que sua família passou durante a perseguição aos judeus na Alemanha nazista.

Com o protagonista sendo o pai do autor, a Super Hqs retrata com fidelidade todas as atrocidades cometidas pelos nazistas nos campos de concentração. A verossimilhança foi tamanha, que até o momento da escrita deste artigo, Maus é a única graphic novel a ser premiada com o prêmio Pulitzer de jornalismo.

Maus (rato em alemão) não é uma hq fácil de ser lida, mas a todos que tiverem a oportunidade de ler, será uma experiência inesquecível.

Super Hqs

The Walking Dead

Desde que A Noite dos Mortos Vivos, lançado em 1968 e dirigido por George Romero, o zumbi entraria no imaginário popular como uma das criaturas mais famosas do mundo das monstruosidades, ao lado de vampiros, lobisomens, bruxas, múmias, etc.

É nessa fama que o monstro carrega que surge The Walking Dead (algo como O Morto Andante), mundialmente famosa pela sua séria produzida pela AMC.

A história gira em torno de Rick Grimes, um policial que foi ferido em combate e entrou em coma. Ao acordar, se vê em meio à um apocalipse zumbi.

A história não é só adulta pela violência gráfica (os zumbis devorando uma pessoa, muitas vezes ainda viva). Tiroteios, desmembramentos, explosões, tudo que se tem direito.

Mas também, os personagens se descobrem no meio do caos: descobrem ter habilidades que sequer sonhavam que tinham. Rick, por exemplo, se descobre um líder nato.

O mundo de the walking dead é um mundo rico, mesmo a maior parte dele destruído, e agora os que restaram, lutam para sobreviver. Leitura obrigatória para os amantes de zumbis.

Não foi fácil, mas acho que depois desse artigo, você que está lendo já estará bem mais antenado no mundo dos quadrinhos, e com excelentes hqs tanto adultas quanto hqs eróticos para começar no mundo para maiores de 18 anos.

Ainda há um vasto mundo de quadrinhos a ser explorado, mas acho que todo mundo deve começar de algum lugar, certo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.